segunda-feira, 14 de abril de 2008

Namorada não se conhece em balada?



"Namorada não se arruma em balada, cara!!!! Eu te avisei: balada não é lugar para arrumar namorada!"
Ouvi isso ontem, em uma festa de aniversário. Ou era balada mesmo? Pouco importa. E não vem ao mérito aqui detalhar as circunstâncias em que essa conversa aconteceu. O importante é ter escutado isso - de um amigo para outro "brother". É até difícil escrever sobre isso. São tantas coisas na cabeça sobre esse assunto. O que você falaria a respeito de uma frase filosófica desse porte?

Vamos tentar entender o ponto de vista do filósofo macho: uma mulher que vai a uma balada não "serve" como namorada. É a primeira coisa que se entende sobre essa teoria do bonitão. Então, o que presumir? Que toda mulher que vai a balada é vagabunda? Que toda mulher que vai a uma balada é solta e fácil - portanto não merece nada mais do que ser comida pelo gostosão? Toda mulher que vai a uma balada tem o intuito de ficar, beijar e ser apalpada? Nenhuma mulher vai a balada para dançar? Para se divertir com amigos? Nenhuma mulher que vai a balada é legal, inteligente e meiga? Não!!!! Ela simplesmente não serve para ser namorada de nenhum "brother" e muito menos namorada do cara moderninho. Mulher de balada é vagabunda. Descartável. Lixo depois.

Onde se conhece namorada, então? Na missa (quem frequenta missa com assiduidade?)?? Em casamentos (você tem quantos casamentos por ano para ir)? Casamento também não é balada? Churrasco? Churrasco também não é um evento social baladeiro? Já sei! Em um consultório médico se encontra namorada!!! Isso, almas gêmeas hipocondríacas! Melhor: a namorada perfeita é a prima do seu amigo, que mora no interior de Minas Gerais, é virgem, mal sabe o que é um website mas sabe fazer um pão-de-queijo maravilhoso - é a perfeita tapada para o machão.

Esse tópico aqui é um rascunho que ainda será melhor escrito outro dia. Só precisava registrar aqui esse pensamento provinciano e retrógrado dos homens do século XXI. Sim, tal como na Era Proterozóica (Não me enganei não, é Era Proterozóica mesmo: considero neste momento o homem algo muito semelhante a uma ameba).

Então? A pergunta que não quer calar: Namorado não se conhece em balada? Será que todo cara que sai para balada é um cretino, mau caráter e vagabundo?

Por hoje é só.

Observação: Pelo menos dois dos "brothers" que advertiam e davam apoio moral para seu amigo em "apuros" quanto ao seu relacionamento com a mulher da balada, têm namoradas. Será que as conheceram em baladas? Provável que não. Deve ter sido na missa de domingo. Só sei que esses dois elementos passaram muito bem a noite com mulheres que não são as suas respectivas namoradas. Esses caras têm moral, hein? Coitadas das desavisadas sobre o estado civil dos sujeitos - mal sabiam o quanto eram vagabundos os donos dos beijos daquela noite.

2 comentários:

Carlos disse...

hahahaha.

Olha, eu acho o seguinte: quando um cara diz que "balada não é lugar para arrumar namorada", ele quer dizer "não arrume uma namorada; nem aqui nem em lugar nenhum".

Falando como homem, acho que o conselho é muito mais sobre mulheres em geral do que sobre baladas. O conselho ali é: "curta tudo. Essas vagabundas e as outras também" (vagabunda = mulher (mesmo as mulheres deles)).

Aliás, fico ainda mais certo disso quando se diz que os caras em questão têm namoradas. Independente de serem homens (gente boba tem nos três ou quatro sexos atuais), vê-se que se tratam de pessoas infelizes, incompletas e iludidas.

Acho ainda que as pessoas parecidas sempre acabam se encontrando. Ninguém consegue ser otário sobre apenas um assunto. Então esses caras devem ser ruins também como namorados, assim como suas respectivas, por curtirem caras ruins, devem ser mulheres bem caidinhas, no sentido 'espiritual' da coisa.

E digo ainda mais: na minha humilde opinião, namorados e namoradas não são coisas que a gente procura. Se a vontade de namorar é anterior ao objeto da paixão, grandes chances de a pessoa namorar 'sozinha'. Ou seja: viver uma daquelas histórias em que um não consegue realmente olhar para o outro, mas apenas para si mesmo e para seus desejos e frustrações.

Para mim, é assim: procurou? Já está errado. Seja homem ou mulher. Romance é uma coisa que surge. Não é fruto de decisão de ninguém.

Como eu mesmo já escrevi certa vez, "todo romance é um mergulho no escuro. Todo romance é descontrolado".

beijo!!!

Anônimo disse...

Gostei do seu comentário sobre a afirmação. Mas tem uma coisa aí que me chateou.. no interior de minas gerais sabe-se fazer pão de queijo mas também sabe-se navegar na net. Essa posição foi um tanto quanto retrógrada e inadequada da mesma forma que foi o comentário dos dois idiotas.